Paróquia de São Pedro Apóstolo - Ponta Verde

Multimídia

P. de São Pedro Apóstolo

Rua Gaspar Ferrari Moura, 251
Ponta Verde
Maceió - AL, 57035-100
(0xx)82 3231-7044

 

Horário de Missas

de terça a sexta: Às 17h
Sábado:  Às 17h e 19h
Domingo: Às 8h, 17h  e 19h
1ª Terça do mês - Missa de
Cura e Libertação: Às 19h.

O Pescador

BELO MONTE E SEUS MISSIONÁRIOS PDF Imprimir E-mail
Pe. Manoel Henrique

belo monte alagoasUma Viagem a Belo Monte é uma viagem ao passado, através do imaginário histórico dos tempos coloniais. A estrada é de chão e de pedras, por causa de uma mineradora existente. São dois provavelmente os municípios que nãopossuem via de acesso asfaltada: Pindoba e Belo Monte. O caminho é descendente, sempre descendo sem visualizar nada em redor, a não ser, quando depois de 30 minutos nos deparamos com as águas do São Francisco.

A cidade é pequena, mas antiga. E mais antiga deve ser a Barra do Ipanema, rio que atravessa vários municípios daquela Região e está presente com seus pescadores e em seu porto acontece a principal atividade comercial de Barra do Ipanema. Lanchas e canoas circulam interligando vários municípios, uma vez que é precário o sistema rodoviário. Do outro lado está o Estado de Sergipe.

O seu passado está ligado aos missionários que pelo São Francisco realizaram suas missões Ocuparam as ilhas, algumas delas mais, mais conhecidas como a de São Pedro, das Flores, atingindo Propriá, já no Estado de Sergipe

Na Ilha dos Prazeres, uma Igrejinha existe, dedicada a Nossa Senhoras dos Prazeres, com histórias maravilhosas, com relatos orais falando de romarias, vinda de vários Estados. Os peregrinos viajam de longe para pagar suas promessas, e uma sala guarda os ex-votos, de promessas alcançadas pelos fieis que costumam frequentar. A Igrejinha, segundo alguma estimativa deve ter sido construída no século XVII, com algumas características próprias do tempo dos jesuítas. A festa de sua padroeira atualmente é celebrada no mesmo dia da festa de Nossa Senhora dos Prazeres de Maceió, no dia 27 de agosto. Antes, era celebrada no mês de janeiro, por conta das melhores condições financeiras do povo.

Alguma coisa remete a uma pesquisa mais acurada para se saber o tempo e quem teria levado a imagem desta devoção para aquele lugar e com que motivação. A imagem de Nossa Senhora dos Prazeres de Maceió veio de Jaboatão dos Guararapes, nos tempos da invasão holandesa.  Em Maceió ela ocupou o lugar de São Gonçalo. Em Belo Monte, preocupa-nos o silêncio oficial da Igreja e o seu desprezo eclesial.

Por outro lado, a vida religiosa de Belo Monte e, sobretudo, de Barra do Ipanema está intimamente ligada à religiosidade popular, com sua vida quase que inteiramente dependente dos leigos. A presença padres se devia aos tempos das Santas Missões, feita pelos franciscanos e capuchinhos, ou no tempo das “desobrigas” feitas pelos padres diocesanos. Os franciscanos estavam estabelecidos em Penedo e depois em Igreja Nova e em várias outras localidades. As cerimônias mais importantes do ano litúrgico estavam nas mãos dos leigos, homens e mulheres, sob a liderança das mulheres em alguns lugares. Assim a Quaresma e a Semana Santa eram festivamente celebradas e os vários santos com suas devoções eram motivos de festas e de procissões. As rezas, os terços, as ladainhas, as novenas e procissões nunca desapareceram apesar da ausência de padres. As benzedeiras e as rezadeiras assumiam a liderança religiosa da vida de Igreja. As mulheres ainda eram parteiras, bem como eram elas que preparavam as pessoas para a morte e cantavam a “excelências” ou sentinelas para acompanhar a última viagem do irmão das almas.